Para a maioria das pessoas, os intestinos só contam quando se trata de ir à casa de banho. Na verdade subestimamos um pouco os nossos intestinos.

Muitas das pessoas pensam que as fezes são acima de tudo constituídas por aquilo que comemos, mas isso não é verdade. Um terço da parte sólida das fezes são bactérias, outro terço são fibras vegetais não digeridas. Quanto mais vegetais e fruta comermos, maior o volume das fezes.

Outro terço é uma manta de retalhos constituída por substâncias que o corpo deseja expelir, como por exemplo os restos de medicamentos, corantes e colesterol.

A parte que resta é água. É através desse adequado teor de água que as fezes se apresentam suficientemente moles para expelir em segurança os nossos resíduos.

Uma elevada percentagem da população portuguesa sofre, sofreu ou virá a sofrer de obstipação alguma vez na vida. Nessa altura reconhecerá os sintomas clássicos deste problema, também conhecido como prisão de ventre.

Para fazer parte desse grupo, é preciso cumprir pelo menos dois dos seguintes requisitos: ir à casa de banho menos de três vezes por semana; um quarto das idas à casa de banho ser especialmente difícil, resultando muitas vezes em apenas pequenas porções, ter de investir força para evacuar e só consegui-lo com pequenos truques e ajudas e a pessoa não sentir que tenha evacuado na sua plenitude ao sair da casa de banho.

A idade também conta

A obstipação prevalece nas faixas etárias mais avançadas. Nelas existe uma diminuição natural do poder de expulsão das fezes, pelo facto de os músculos envolvidos estarem debilitados. Além disso, é frequente que os idosos mantenham hábitos alimentares deficientes, quer porque a falta de dentes já não lhes permite mastigar determinados alimentos, quer por falta de interesse na própria comida. Do mesmo modo, ingerem poucos líquidos e, muito provavelmente porque vivem sós, acabam por fazer refeições irregulares.

O elevado consumo de medicamentos, característico nestas idades, pode contribuir também para a prisão de ventre, o que é agravado pelo facto de muitas vezes os idosos estarem acamados durante períodos longos.

É verdade que, por vezes, as queixas de prisão de ventre feitas pelos idosos são fictícias. Este é um problema que os preocupa e que, mesmo que não seja real, os leva a recorrer demasiado a laxantes. Com isso, o intestino acaba por ser tornar preguiçoso e só funciona com “ajuda”.

Hora combinada com o intestino

Se vai sempre à casa de banho de manhã ou outra altura do dia, e se reprimir essa necessidade está a quebrar um acordo. O intestino apenas deseja levar a cabo o seu contrato. E se colocarmos as fezes em lista de espera, estaremos desse modo a treinar os nervos e os músculos em direção oposta.

Além disso ao colocar as fezes em lista de espera, haverá mais tempo para retirar água das fezes, o que torna mais difícil a próxima ida à casa de banho. Reprimir as necessidades pode significar obstipação.

As causas da obstipação são várias e podem incluir uma dieta pobre em fibras, ingestão insuficiente de líquidos, falta de exercício físico, entre muitas outras. Por isso, alterar os seus hábitos pode ser a melhor forma de evitar ficar obstipado.

Há alimentos que fazem o nosso intestino trabalhar. Estou a falar das fibras. Uma vez que não são digeridas no intestino delgado, dão sinal ao intestino que gostariam de sair para o exterior. Não adianta dar mais fibra se não fornecermos líquido ao intestino para tornar tudo mais macio. Sem água não passam de massa sólida, com água incham. As fibras que não se dissolvem em água desencadeiam movimentos mais agitados. As fibras solúveis em água tornam as fezes mais macias.

Os probióticos (bifidobactérias vivas) e os prebióticos (alimento para as bifidobactérias que estimulam o seu crescimento) são boas bactérias vivas que, juntamente com os seus alimentos preferidos, podem insuflar uma nova vida a um intestino cansado.

Como prevenir ou tratar a obstipação

  1. Exercício físico

Recomenda-se praticar 30 minutos de exercício físico diariamente para aumentar a mobilidade do intestino.

  1. Beber Água

Beber 1,5/2 litros de água por dia para obter uma hidratação suficiente das fezes e ser mais fácil expeli-las.

  1. Ingerir fibras

Das vinte cinco a trinta gramas de fibras que devemos ingerir diariamente, a maioria da população ingere cerca de metade.

Uma dieta rica em fibras ajuda a regularizar os intestinos. Exemplos de alimentos ricos em fibras são cereais integrais, nozes, frutas e legumes.

Uma pessoa que nutre o seu intestino com poucas fibras, como massas, pão branco, etc… não deve mudar de repente para grandes porções de pratos ricos em fibras, já que isso irá violentar a comunidade de bactérias. O resultado poderá ser o excesso de flatulência. O procedimento certo é aumentar gradualmente as fibras e nunca em quantidades exageradas.

  1. Ir à casa de banho com regularidade

Manter hábitos regulares para ir à casa de banho ajuda a evitar a obstipação. Procure manter uma hora certa todos os dias para ir à casa de banho, mesmo que não tenha vontade de evacuar. Demore o tempo que for preciso e criará uma rotina intestinal.