Há mais de mil anos, Hipócrates disse:” Se pudéssemos dar a cada individuo a quantidade certa de nutrição e exercício, nem menos, nem mais, teríamos encontrado o caminho mais seguro para a saúde”.
É possível que morrer de velhice seja algo que já não existe. As pessoas morrem de doença, e cada vez mais sedo, sendo as doenças cardiovasculares a causa mais comum em Portugal.
A maior parte das mortes em Portugal são evitáveis e relacionam-se com o nosso estilo de vida e com aquilo que comemos. Podemos afirmar que a dieta é a primeira causa de morte e de invalidez física. Comemos quase como se o futuro não importasse.
Eu sei que é mais fácil comer o que nos der na gana e depois tomar remédios quando começarem a surgir os problemas de saúde. Parece ser esta a mentalidade prevalente na maioria da população.
Com demasiada frequência se receitam medicamentos e ignoram-se os benefícios de uma boa nutrição.
A verdade é que a único efeito secundário da dieta poderá ser não ter que continuar a tomar os medicamentos.
Assim é bom termos a noção que o poder está sobretudo nos nossos pratos e que muitas vezes cavamos a nossa própria sepultura com um garfo…
É claro que o truque é desfrutar da comida sem abusar com frequência. Isto requer que muitas pessoas mudem a abordagem à comida. Algumas falam de “alimentação consciente” ou, “saborear”, que, regra geral, implica comer devagar e concentrar-se no prazer que a comida transmite.
Um dos segredos é reconhecer os hábitos que não facilitam a saúde e alterá-los pouco a pouco.
Muitas vezes não se trata a raiz do problema, mas antes as consequências, oferecendo toda uma vida de medicação, ou seja, limparmos o chão à volta do lava-loiça a transbordar em vez de simplesmente fechar a torneira.